Um Retrato estatístico-astrológico dos portugueses

Por João Medeiros

Em pesquisa astrológica, os estudos estatísticos podem desempenhar um papel relevante e complementar à investigação simbólica.
A principal dificuldade na sua realização, com métodos válidos segundo a própria Astrologia, prende-se com a dificuldade em conseguir uma recolha abrangente de informação qualitativa - seja psicológica, comportamental, factual ou outra - sobre uma grande amostra de indivíduos, que conheçam com alguma fiabilidade a sua hora de nascimento.
No entanto, considerando as grandes fontes estatísticas de informação é possível conhecer, por exemplo, a distribuição de padrões astrológicos simples da população portuguesa actual - mais de 10 milhões de pessoas - recorrendo ao Recenseamento Geral da População 2001.

O signo solar e Peixes

Em Portugal, apesar do relativo equilíbrio na distribuição dos signos solares, o mais frequente é Peixes, com mais 53 mil pessoas do que seria de esperar, em média, para cada signo. Este facto não deixa de ser coerente com alguma tradição astrológica que atribuía à região de Portugal a regência de Peixes.

Gráfico 1 - Distribuição do Sol: nº total de indivíduos por signo (em 2001)

Sendo um signo relacionado com o mar, com a passividade e imaginação, bem como com a poesia e alguma vitimização, a associação parece fazer sentido. Tanto mais que em 1991 se verificava também esta tendência dos signos solares que, portanto, não será recente.
Os signos com menor representação são Sagitário e Escorpião, em média com menos 50 mil pessoas do que seria esperado. Poder-se-á perguntar se Portugal é um país adequado à vida de pessoas divertidas e aventureiras ou de pessoas passionais, que procurem grandes emoções.

Mercúrio e o pensamento saturnino

A distribuição de Mercúrio - relacionado com a percepção, pensamento e comunicação - revela um padrão diferente, lembrando vagamente uma cabeça humana. Os signos mais frequentes são Capricórnio e depois Aquário, ambos com mais de 80 mil pessoas do que a média. Este facto pode indicar a predominância de uma estrutura de pensamento do tipo saturnino: racional, conservadora e rígida, mas planeada.
Por outro lado, serão mais escassas características mentais de versatilidade, intelectualidade e sensibilidade dado que Gémeos e Caranguejo são os signos de Mercúrio menos presentes.

Gráfico 2 - Distribuição de Mercúrio: diferença percentual em relação à média (em 2001)

Vénus e a estrela de 5 pontas

A distribuição de Vénus evidencia todo o esplendor da sua trajectória aparente, que ao percorrer os seus ciclos de retrogradação demora-se em segmentos específicos do Zodíaco, formando uma estrela de 5 pontas. Não será por acaso que os antigos associaram a este planeta os arquétipos de beleza, de perfeição e de harmonia, bem como a natureza mais profunda do Homem.

Gráfico 3 - Distribuição de Vénus: diferença percentual em relação à média (em 2001)

No caso da população portuguesa, os signos mais frequentes são Carneiro e Aquário, com mais 20 % de população em média que os outros signos, o que sugere uma acentuação nos valores de competição, de iniciativa e de diferenciação, para além de valores ideológicos.
O signo em que Vénus está menos presente é precisamente a Balança, signo que rege e onde expressa o seu potencial máximo de diplomacia, sedução e harmonia com o outro.

Outros planetas

A Lua, o astro mais rápido, é um factor difícil de avaliar neste estudo em particular. Contudo parece haver uma tendência mais acentuada no elemento Ar - concretamente Aquário e Balança - e menos acentuada em Caranguejo, signo da sua regência

Marte está mais presente nos signos Leão e Virgem - signos de exuberância e de aperfeiçoamento - e menos frequente em Peixes - onde a acção é expressa de forma subtil e com sentido emocional.

Por seu lado, Júpiter encontra-se em Escorpião com maior frequência e em Caranguejo com menor frequência - o que poderá indicar que as crenças, no povo português, são mais vividas pela intensidade emocional do que pelo conforto afectivo.

Quanto a Saturno, senhor do Tempo, na sua globalidade é mais frequente nos signos da sua regência - Capricórnio e Aquário - onde veicula a sua expressão de ambição, responsabilidade e rigidez social. Por outro lado, existem menos pessoas com Saturno em Caranguejo e Gémeos.

Os planetas transpessoais evidenciam particularmente o peso das gerações. Em Portugal, as gerações nascidas entre 1975 e 1980 têm mais população e assim sendo, por exemplo, é natural que Urano esteja mais presente em Escorpião e Balança.

Aplicações práticas

Um estudo deste tipo permite tirar conclusões interessantes sobre as predominâncias energéticas de grandes massas populacionais e poderá ganhar ainda quando comparado com outros países. Por exemplo, em França a assimetria de signos solares é maior, com predominância de Touro - associado à estabilidade material e apego sensorial.

Também é possível identificar quais as tendências de sub-grupos da população, por comparação com a média nacional. Por exemplo, nas pessoas que participaram no Stellium I - 1º Encontro Nacional de Astrologia, em relação ao resto do país, destacava-se um padrão de Água Cardinal, ou seja, de pessoas carinhosas e sensíveis mas com capacidade de iniciativa.

Copyright © 2003 João Medeiros


João Medeiros

Nasceu em Agosto de 1975.

Licenciou-se em Economia pela Universidade Nova de Lisboa tendo-se especializado em Estatística Aplicada. Realizou ainda um ano de estudo como bolseiro Erasmus, na Suécia e em França.

Em 1998, paralelamente ao seu trabalho como investigador na área sócio-económica, começou a estudar Astrologia.
Concluiu o curso leccionado no Espaço Astrologia em 2002 e, desde então, tem desenvolvido prática regular de consultas astrológicas e trabalho de investigação em Astrologia Natal e Mundana.

Os seus estudos, que abrangem campos diversos como a Psicologia Astrológica e a Astrologia Horária, foram complementados com cursos de aconselhamento e de transformação pessoal.

Actualmente, investiga também a criação de metodologias adequadas à pesquisa astrológica.

 


Nenhum artigo, tabela ou texto pode ser reproduzido sem autorização expressa do(s) autor(es)

© Copyright 2011, Helena Avelar e Luís Ribeiro